Sintonizando a transformação digital em África

Por que as perspectivas digitais do continente parecem “mais positivas” (e tendem a ficar cada vez mais) 

África é a última fronteira de grandes oportunidades de explosão global para o ocidente. Apesar de seus quase 1,5bilhões de pessoas, mais de 500 milhões de utilizadores na internet e mais de 330 milhões de consumidores de comércio electrónico, África ainda não está no radar para muitas empresas ou investidores fora do continente africano.

Agora, as empresas que perderam o crescimento meteórico da Índia e da China têm uma última oportunidade de garantir uma posição num mercado e em rápido crescimento.
Com vários países de todo o continente a modernizarem-se rapidamente e a mostrarem sinais promissores de crescimento, agora é hora de considerar seriamente este mercado antes que a janela de oportunidades se feche.

A Accenture foi recentemente contratada pela Google para realizar uma extensa pesquisa primária e secundária sobre o ecossistema tecnológico africano. Foi um total de 1600 desenvolvedores de softwares e entrevistaram mais de 25 startups de tecnologia, investidores e outros players do ecossistema de tecnologia que permitem entender a conversa em torno deste espaço. Ver a pesquisa aqui

 

“Se África sustenta e acelera as reformas estruturais, o continente tem o potencial de imitar a rápida ascensão económica da China nos últimos 50 anos.” – Fórum Económico Mundial

 

E a população de África só cresce

Até 2025, a população mundial deve ultrapassar os 8 bilhões de pessoas. E a maior parte desse crescimento dá-se em África – os países desenvolvidos já desaceleraram o crescimento demográfico.

Veja na imagem abaixo, extractos do crescimento populacional.

A Nigéria, muito presente na lista, tem uma das economias mais fortes de África, muito dá-se pelo petróleo… e não só…

Assim como a Nigéria, muitos outros países do continente vivenciarão esse crescimento acelerado. Embora isso traga benefício, também pode ter algumas consequências desfavoráveis.

“O aumento da população, em algumas nações, pode gerar problemas relacionadas à urbanização em massa, como poluição, superlotação e altos custos de vida. Só o futuro nos dirá se os pontos positivos se sobressairão aos negativos” – The Business

 

Aumentos da transformação digital local

Há uma ligação clara entre o crescimento digital e económico e África, está pronta para aproveitar. Em todo o continente, 40% da população (mais de 500 milhões de pessoas) agora têm acesso à internet, alcançando a actual penetração de 50% da Índia. A cada aumento de 10% (que se espera que África alcance na próxima década), pode-se esperar que África veja um aumento de 2,5% no PIB per capita, em comparação com 2% globalmente. As empresas locais têm capitalizado essas tendências promissoras. Nos últimos dois anos, o uso de ferramentas e plataformas digitais nos negócios aumentou.

“22% das empresas subsaarianas disseram que começaram a usar ou aumentaram o uso de tecnologia digital durante 2020” – Accenture

À nível do governo, também há alguns sinais muito encorajares e positivos. Recentemente vimos o lançamento de uma série de iniciativas promissoras e pró-inovação que visam acelerar ainda mais o crescimento da tecnologia.

 

Startups Levantam Voo

África também é o lar de um ecossistema de startups florescentes. Desde 2020, o investimento em capital de risco se recuperou enfaticamente, atingindo mais de US$ 4,3 bilhões em 2021.
Entre 2015 e 2021, o investimento cresceu mais de 10 vezes. Esses investimentos estão sobrecarregando novas tecnologias e negócios inovadores no continente.  A Nigéria é um caso particularmente emocionante em questão, com treinamento líder e desenvolvimento de habilidades e um ecossistema próspero de startups. 

“A Nigéria tornou-se num farol de sucesso inicial, especialmente para as fintechs, capturando 37% de todo o financiamento de CV em África, apenas nos primeiros oito meses de 2021” – Statista

 

 

As empresas estão atentas ao potencial do mercado africano

Além do Google, outras companhias, como a Microsoft e Visa, também abriram há pouco tempo escritórios na capital do Quénia, devido às demandas de tecnologia para as empresas locais e o aumento populacional.

O continente está a viver uma transformação digital e os grandes players não querem ficar de fora.
Estima-se que, até 2030, África terá 800 milhões de utilizadores de internet e um terço da população mundial com menos de 35 anos.

 

E o potencial de África para o mundo? 

Em 2000, a China era a principal fonte de importações de apenas alguns países africanos: Sudão, Gâmbia, Benin, Djibuti. Mas 20 anos, o gigante asiático é o principal fornecedor de mercadorias de mais de 30 países do continente.

De cá para lá, o valor das exportações chinesas para países africanos cresceu mais de 20 vezes, saltando de US$ 5 Bilhões para US$ 110 bilhões movimentados em 2019, último ano antes da pandemia.

Também vale destacar que as exportações do continente africano para a China também aumentaram, totalizando US$ 80 bilhões anuais, com destaque para as commodities que representam mais de 20% desse valor.

Embora cerca de 30% da população do continente ainda viva na pobreza extrema, as projecções são de que esse número caia para menos de 2% nas próximas 3 a 4 décadas.

“Ainda se espera que as condições sociais e de saúde também subam, bem como a expectativa de vida a educação. Será que todas essas projecções serão concretizadas?” – Daxx.com

 

De uma forma ou de outra, hoje é assinalado o dia de África e com tão bons prenúncios de crescimento para o continente, desejamos um Feliz Dia à todos os africanos.



Deixe uma resposta